Bloguto

Meu passa tempo…

Cliente preferencial, você um dia vai ser um!

Dores vinham e iam, não sabia mais o que fazer, carteirinha do plano de saúde vencida, e… fazer um exame particular, nem pensar! Bom, então fui ao atendimento mais usado no Brasil “SUS – Sistema Único de Saúde”. Fui até a unidade mais próxima, e chegando lá, havia uma fila de muitos idosos. Entrei na fila e logo olhares fixavam em meu rosto, me senti um verdadeiro intruso. Um atendente passou e perguntou – “o que o Sr. gostaria?” Eu gostaria de marcar uma consulta médica para realizar um exame. Meu amigo – disse ela-  essa fila é para atendimento preferencial com mais de 60 anos, dizia ela. Aonde está a minha fila então? –“Todas as senhas acabaram, só amanhã agora” – respondeu ela!

No dia seguinte, acordei bem cedo e deparei-me com a mesma situação. Só havia uma fila – será que já tinham terminado as senhas?  Então fui até o guichê de informações, e novamente olhares me fitavam. Depois de 20 minutos na fila, um odor muito forte foi direto em minha narina, nossa o leite talhou… Era minha vez, e fui logo perguntando: onde eu pego a senha? –“ A senha para o senhor é direto com o porteiro, o que se encontra próximo à roleta, aqui é atendimento preferencial”. Então fui até o senhor da roleta, peguei a senha e meu número era 26. Vai ser rápido –  pensei! Depois o porteiro completou: “ quinto andar, meu senhor, mas vá pela escada, o elevador é para atendimento preferencial”. Fui até a escadaria e pronto: um congestionamento de clientes preferenciais. Foi uma batalha, pois a escadaria era estreita e ficava difícil para ultrapassá-los, e fui subindo lance a lance da escada e às vezes aquele cheiro vinha fortemente… que horror! Por Deus do céu, quase desmaie no último lance, e já sem fôlego passei por uma dolorosa prova. Passei pela porta de incêndio e…que alívio, ar puro!!!

Quando voltei ao meu estado normal, me deparei com saguão enorme… tinha capacidade para mais de mil pessoas, com vários guichês, TVs de tela plana, cadeiras de sobra, computadores novos, tudo de bom! Quanta modernidade (pensei), o cidadão reclama demais. Sentei-me e fiquei aguardando de olho TV aonde os números iam pipocando rapidamente. Olhei para o senhor ao meu lado e vi a senha dele 357, e não queria estar na pele dele! Minutos iam se passando, o salão lotando cada vez mais e já contaminado pelo ambiente com odor fétido, dava minhas cochiladas, como meus colegas. Depois de duas horas, minhas hemorróidas já estavam afloradas, e não agüentava mais a dormência nas nádegas. Então resolvi perguntar a uma atendente: – Por favor, já estou aqui há duas horas e o número da senha é 26, não sei se comi moscas (e como tinha moscas naquele lugar, também pudera, com aquele maldito cheiro) ou se existe alguma coisa errada, pois já estão chamando no número 281, é isso mesmo? – “O guichê não preferencial abre em trinta minutos”, respondeu ela. Voltando ao saguão, minha cadeira já estava ocupada. No canto do salão, em pé, perto de uma coluna, eu ali aguardava a minha vez. De repente um pingo de cuspe foi direto ao meu rosto “PTM!” e surgiu um cliente bem na minha frente me pedindo uma informação. A todo o momento pessoas me perguntavam mais e mais informações. Aquele maldito cheiro novamente me perseguia, mas ficou insuportável e resolvi dar uma volta no salão. Não estava entendendo mais nada, tudo aquilo… Olho para frente e tudo se explica, o meu uniforme era da mesma cor da atendente, de cor azul. Além de não ser um cliente preferencial, agora me tornara mais um funcionário para dar informação. Passaram-se os trintas minutos e o guichê abriu, já estava na hora! Dez, vinte, quarenta minutos e duas horas depois enfim foi chamado. OPA! Não estava acreditando o que via em meu guichê, uma operadora que mais parecia um cliente preferencial, do que uma atendente!

Ela me perguntou: – “Em que eu posso ajudar, meu rapazinho? Pelo “rapazinho” á pude perceber a idade operadora!- Eu gostaria de marcar uma consulta com um clinico, para realizar um exame. A dificuldade de digitação da minha atendente era grande, as pontas dos dedos eram curvas e a pontaria era precária devido talvez à  artrose, e assim ia digitando vagarosamente, dedo a dedo no teclado. Depois de 15 minutos me entregou uma guia me dizendo: -“ favor conferir e depois, dirija-se ao guichê de marcação”. Guichê de marcação? Sim! Fiquei duas horas aguardando um papel que constava meus dados pessoais e que por sinal falavam: Algosto de… Opa!  Algosto? – Minha senhora, meu nome está errado… não é Algosto e sim Augusto! –“ Como”? Interrogou ela. Percebendo que a atendente preferencial tinha dificuldade para escutar, eu repeti bem alto: – o nome que a senhora preencheu está errado, é A U G U S T O! –“ Um minutinho meu filho, eu já vou corrigir” – disse ela. Tecla dali, tecla dela, digita senha, tira os óculos, põem os óculos e finalmente! –“Rapazinho, eu não sei o que houve, mas eu não estou conseguindo mudar o nome. Espere, eu vou chamar minha supervisora para me ajudar”.

Minutos depois vinham elas juntas como duas comadres. Quando eu percebi, a supervisora era mais velha do que a atendente preferencial. Me Deus, aonde eu fui amarrar aminha égua? Guia corrigida, direcionei-me ao guichê para marcação. O atendente do outro lado do balcão não era preferencial, e sim uma mocinha jovem e muito rápida, que ia despachando rapidamente todos os clientes da fila. Faltavam umas dez pessoas quando uma cliente preferencial chegou perto de mim e perguntou: -“ posso ficar na sua frente meu filho, eu já sou idosa e tenho preferência”. Fitei a senhora, olhei para os meus colegas de fila e pude perceber que tinham umas sessenta pessoas na fila e o único que não era cliente preferencial era eu! Então disse a ela que por mim não teria problema, mas ela deveria  perguntar aos seus colegas que estavam atrás de mim, na mesma situação que ela. Coitada, fiquei com pena, mas seus colegas já impacientes gritavam e batiam as bengalas no chão dizendo que lugar de velho era no final da fila, um deles falou tão alto que sua perereca ( nome popular entre os idosos para dentadura) pulou longe… Após esse tumulto, o maldito cheiro voltou, socorro! Alguém pode chamar o SAMU, acho que tem alguém morto aqui! E de repente…  –“Próximo”! Eu, já impaciente, fui falando:- gostaria de marcar uma consulta para realizar um exame.  – “Augusto um minuto, por favor, minha colega vai me substituir enquanto vou ao banheiro”. Quem me aparece no guichê? A nossa simpática atendente preferencial e sua excelente pontaria. – “Qual é o exame que o rapazinho vai fazer”, perguntou ela. -Colconoscopia, minha senhora. –“Rapazinho, infelizmente não temos esse exame nessa unidade, vamos te encaminhar para outra unidade. Aqui só temos as especialidades: reumatologista, urologista, geriatria, cardiologista, ortopedia especializada em osteoporose, coisas de velho”… Bem alto, ela me perguntou: -“você já fez esse exame”? – Não minha senhora, respondi. –“Não dói nada”, dizia ela! Opa! Não dói nada? Mas minha senhora o que tem de especial nesse exame? Nada meu filho! De repente um “zum zum” e risadinhas na fila e a perereca pulou novamente pra fora. E sem constrangimento nenhum ela falou: eles irão introduzir um tubo, mas não dói, na verdade você não vai nem ver. Opa, opa, opa! Não estou gostando na disso… Um tubo?! Por onde (pensei)? Fiquei imaginando a situação, e o maldito cheiro veio novamente… Vou sugerir distribuição de máscaras…

Tudo praticamente terminado e a senhora me perguntou: -“ que confusão foi aquela na fila meu filho”? – Uma senhora queria preferência, disse eu, mas o pessoal da fila quase a matou! – “Sabe por que eu não me aposentei ainda”, dizia ela.  –“Para não ir para o outro lado do balcão”! Depois de seis horas de espera, e sem oxigênio em meus pulmões, desisti! Minhas hemorróidas que se danem!

Anúncios

25/07/2009 Posted by | Crônicas | 8 Comentários

Pós Moderno

O que somos se não pós-modernos?  Acho que somos o presente. Para mim a pós-modernidade não é nada mais que o presente um pouco à frente. Modernidade são coisas atuais que foram feitas e projetadas no passado e que ajudam o presente. O que é pós? Será depois, ou seria logo após! O pós esta tão perto que é o faz parte do presente.

Não temos inovações tecnológicas, temos a tecnologia a favor das inovações. Se a vida anda depressa? Eu acho que não! Não seria: a vida anda em outro ritmo que não tínhamos percebido e agora tentamos acompanhar. E o presente é sempre o melhor? Podemos tirar proveito do passado, ou melhor, tirar proveito do que já foi pós-moderno?

A modernidade veio para ajudar, mas a ajuda a alguns pode prejudicar aos outros. Sobreviveríamos sem o pós-moderno? Acho que não. Viver sem o pós é viver sem o futuro, porém viver o futuro é algo que não aconteceu ainda. As coisas mudam a cada segundo e não dá tempo para acompanhar. O pós vira passado na velocidade em que vivemos e tudo é incerto.

A cultura humana não consegue acompanhar a velocidade em que vivemos. Será que ficaremos sem cultura? Hoje se perde o passado, pois o pós está à frente, mas não podemos deixar que isso aconteça. Coisas do pós fizeram melhorar muita coisa, mas também piorar outras. Ninguém se preocupava com o pós. Hoje damos desculpas para tudo a favor do pós.

A vida mudou, o ser humano mudou, as coisas continuarão mudando, e isso é o pós-moderno.

08/07/2009 Posted by | Crônicas | Deixe um comentário

Reconhecimento ao alcance de todos.

Os premiados

Auditório pronto, cadeiras arrumadas, data show, microfones e só faltam eles. Todos apreensivos no salão, fotos de mesas e cadeiras vazias tiradas para passar o tempo, pessoas de um lado para o outro. De repente tudo muda, escutamos um barulho de um ônibus, serão eles? Todos se voltam para a porta, e lá vêm eles. Suados do trabalho, com mãos calejadas, com olhares de cansaço, desconfiados, um a um descia do ônibus e se dirigia à porta do salão. Tudo era novidade, pessoas estranhas, caras novas, o que seria aquilo tudo? Alguns já sentados olhavam para cima, para os lados, outros nem respiravam direito. Passando alguns minutos e pronto, começou o Show! Show? Sim, para alguns tudo ali era novidade, telão, bandeirinhas, gente batendo foto, vídeos como num cinema. Uma coisa chamava mais atenção! O que seria aquilo, quem iria receber? Olhares apreensivos fixavam em um só lugar, nos presentes. Presentes? Sim, tudo aquilo era uma forma de presente. A palestrante começou e todos se calaram. Falas, vídeos, piadas e todos entravam no clima de descontração. E vêm o a núncio: dez trabalhadores seriam homenageados e reconhecidos pela empresa, para os mais motivados e que se destacaram no quesito segurança do trabalho. Ali tudo mudou, eram só dez! Quem seria um dos vencedores, todos ali se olhavam, uns cochichavam, tudo se tornaria um mistério. Não havia o primeiro lugar nem o segundo, todos os dez eram merecedores dos prêmios. Com apreensão, surgiu o primeiro nome! A palestrante exclamou: “vamos pessoal, aplausos para o colega!” Quase sem força, cansado de tanto trabalhar, o primeiro levantou-se com um olhar de vencedor e ali se muniu de forças para caminhar até a frente do auditório. Acanhado para receber o glorioso prêmio, ficamos surpresos com sua reação ao colocarmos a medalha em seu peito. Era um olhar de alegria, de reconhecimento estampada em sua face, e foi assim um a um, na medida, que recebiam a medalha. Ao final ali estavam todos eles juntos para foto do pôster! Felizes pelo reconhecimento, todos se sentiram especiais. Ali não havia classe social, ou diferenciação hierárquica, eram todos iguais seres humanos que tinham seus esforços reconhecidos pelas pessoas que os indicaram. O trabalho se torna mais prazeroso quando é reconhecido, não se trata de ganhar presentes ou lembranças, e sim do simples agradecimento ou um muito obrigado ao final do dia de trabalho.

05/07/2009 Posted by | Crônicas | Deixe um comentário

Criticidade?

Essa palavra ainda não possui nenhuma definição –Dicionário informal ou formal na internet, portanto pela minha definição é….

Criticidade

             Somos críticos por natureza. No mínimo, o brasileiro tem uma tendência a ser muito crítico. Será que usamos o bom senso no uso da criticidade? Acho que não! Se avaliássemos tudo que está ao redor de nossos corpos e olhássemos com uma visão crítica o que esta acontecendo no mundo, as coisas seriam diferentes. Criticar não é falar mal ou falar bem, é falar a coisa certa na hora certa. Infelizmente, na maioria das vezes falamos na hora errada e coisas erradas.

            Ter o senso crítico e ter um olhar diferente, um olhar inteligente, é enxergar as coisas de outro modo. Quando fazemos bobagem, não estimulamos o nosso senso crítico, mas se acertamos é sinal que o usamos. Você já ouviu falar de crítica construtiva? Para mim, esse negócio de crítica construtiva é conselho. E aí é que se instala a dúvida: se conselho fosse bom não daríamos ou venderíamos? Ou seria uma crítica que estou fazendo agora, sobre conselho? A criticidade humana é mais forte quando nos reunimos ou não faz a diferença? Claro que faz!  A crítica coletiva é o despertar de uma visão que fica obscura solitariamente. É colocar para fora seus sentimentos e sua opinião. Criticamos para melhorar, para dar o direito de resposta às coisas que vimos e gostaríamos de falar.

           Pessoas inteligentes utilizam mais o senso crítico, porém há uma tendência a utilizar em favor próprio. Certas profissões utilizam mais o senso crítico do que outras. Na magistratura, por exemplo. Atua o senso critico pela razão e não pela emoção.  Ter o discernimento para uso do senso crítico correto seria o ideal, mas muitas das vezes não sabemos utilizar a criticidade. Interpretamos as coisas sem um bom senso, sem utilizar a crítica. O ato está correto e ou errado? Podemos simplesmente ir agindo, ou temos que parar, verificar, pensar, e criticar? Temos dúvida? Opa! Então está na hora de usarmos o senso crítico, mas utilizar da maneira mais correta possível. Mas como, se criticar não é certo ou errado? É interpretar, discenir entre a verdade e o erro, e não entre o certo e o errado.

01/07/2009 Posted by | Crônicas | 2 Comentários

Tempo

Velhos tempos              

 

Tudo depende do tempo. Em algum lugar da história, num tempo qualquer, se deu a resposta e soluções para muitas perguntas e problemas. Não podemos repassar a responsabilidade para o tempo. O tempo não pára, o ser humano sim. Fica ali esperando a solução vir com o tempo, mas vê que solução não vem como se esperava.

               Acredito que tudo tem o seu tempo. Tempo para refletir, para analisar, pensar e para tomar alguma decisão. Acontece que demoramos tempo demais para agir, e mesmo quando acertamos na decisão, pode ser tarde demais. O tempo é o agora, é o fazer já! O tempo faz a história se criar. O ato de se criar fica marcado com a iniciativa e não com a expectativa. A expectativa passa a responsabilidade para o tempo, e já a iniciativa se faz naquele exato tempo em que se tomou a decisão.

              Provavelmente você já ouviu falar a seguinte frase: “já há tempos em que estamos com esse problema, ou já há tempos em que isso vem acontecendo!” Pois é, olha agente de novo passando a responsabilidade para o tempo.

              Hoje são criados destinos diferentes ao mesmo tempo. Histórias serão criadas diferentemente de seu tempo e destino. O tempo não vem com a criação e sim a criação vem com o tempo. Reclamamos por uma ação, mas faz tempo que reclamamos e não fazemos nada. Elegemos os mesmos de tempos em tempos.

               Tempo é o que não falta. Temos que agir para o tempo não passar. A chance de mudar está á todo momento sendo criada, mas não aproveitamos a oportunidade de criar, de agir, não temos a iniciativa da criação e sim a expectativa da criação.

               Certo que isso mudará em algum lugar no tempo, me manifesto através da criação do meu texto neste exato momento.

 Guto

01/07/2009 Posted by | Crônicas | Deixe um comentário